terça-feira, 24 de maio de 2016

As dores e delícias de ser babá do próprio filho

Minhas amigas mães se dividem em dois grandes grupos: as que passam um perrengue absurdo ao cuidar do filho sem muita ajuda extra (grupo em que me incluo) -  e as que tem babás quase 24 horas.
 Embora eu acredite que existe uma pequena guerra silenciosa entre estes dois grupos (pais sem babá falam mal dos com babá e vice-versa) aqui não se trata de um julgamento: Todas essas amigas são ótimas mães e seus filhos são crianças muito bacanas. Mas é um fato que são vidas bem diferentes.

De cara, é muito fácil perceber o que os pais perdem por não ter babá: noites de sono, jantares românticos, reuniões de trabalho, baladas com amigos, os próprios amigos, o bom humor, a paciência, a sanidade.

Muito mais difícil é ver o que a gente ganha quando assume esse job a maior parte do tempo. Ao contrário de nossas olheiras profundas e nossas raízes brancas por fazer, os bônus são muito mais difíceis de se enxergar a olho nu. Por isso achei que valia pensar em voz alta sobre o assunto.

“Filho, me ajuda?”. Quando você tem uma funcionária o tempo todo, é pra ela quem vai pedir socorro nos perrengues do dia a dia. Quando não tem, o seu próprio filho é que vai ter que te ajudar. E isso, ao longo do tempo, acho que dá à criança um certo senso de responsabilidade acima da média. É simples: como não há mais ninguém a recorrer ou culpar, vocês viram um time. “Filho, me ajuda, estamos só nós dois” -  é uma das coisas que mais falo pro Inacio. Às vezes funciona, outras ele continua a berrar e espernear e eu choro junto por não ter a tal babá (recentemente fiquei meia hora trancada no meu banheiro enquanto Inacio, num acesso de raiva,  esmurrava a porta  estilo Jonhy, de O Iluminado). Mas com o tempo ele tem entendido que se não fizer a parte dele, a coisa não acontece.

“Faz uma tatuagem de pontilhismo em mim ?” Dias atrás fomos num aniversário e meu filho disse essa frase pra uma  pessoa, que imediatamente se apaixonou por ele, óbvio. Ele não sabia o que estava falando, estava apenas repetindo algo que ouviu, mas o efeito “ownnnnn” por parte de todos foi imediato.Atribuo essa gracinha ao fato de que desde que Inacio nasceu, o levamos a quase todos os eventos de nossos amigos. Não é nada conceitual ou pseudo-construtivista, é pura falta de opção mesmo. Não temos com quem deixá-lo. Muitas vezes é bem cansativo, não conseguimos ter uma conversa adulta e aquele vestido de festa branco ganha uma mancha de suco de uva nos primeiros quinze minutos do evento. Por outro lado, por não ter uma figura ali contratada só pra ele, Inacio percebeu que teria que conquistar os adultos. Garantir “babás temporárias”, pessoas que se interessassem por ele a ponto de lhe dar atenção. Com isso, ele se comunica excepcionalmente bem pra 3 anos. Fala um português impecável. Já cheguei a achar que ele era um gênio, mas não tem nada a ver com isso: foi pura necessidade de se comunicar.

“Pede pro papai.” Tenho a sensação de que os pais com babás full time conseguem escapar com mais facilidade da parte chata de ter um filho. Trocar fralda, escovar os dentes, lavar um lençol sujo. Homens nunca brincaram de boneca, a criação dos homens por aqui é bem machista e eles não tem a mesma disposição das mães para estas tarefas. Não que a gente goste, óbvio, mas sabemos que tem que ser feito e fazemos. Quando não se tem babá, eles tem que se virar.  Pode-se argumentar que estas atividades não tem a menor importância na educação, mas num contexto de igualdade de gêneros acho importante o filho ver que o homem tem a capacidade e responsabilidade iguais de realizar o trabalho doméstico.

“Você acredita que a minha babá fez isso?” “Sim, acredito. E talvez eu fizesse o mesmo.” É assim que penso a maioria das vezes que alguma amiga comenta sobre alguma atitude da babá com seu filho. Quando você é a babá do seu próprio filho o tempo todo, é mais fácil ter empatia e vestir o uniforme branco mental pra se colocar do lado da moça. Às vezes falta paciência, às vezes falta capricho com seu filho. E você talvez não fizesse melhor. Normal.
 
Claro que os pais sem babás ao ler isso aqui vão se sentir superiores - não somos. Nada disso garante que a criança vai ser um ser humano melhor. São tantos os fatores que influenciam que minha divagação é apenas uma observação de um caso isolado com meu filho. Meu mestrado em psicologia infantil é o babycenter, então não levem  à sério.

Os pais com babás, por outro lado, vão achar que sou uma recalcada - e sou. Minha opção por não ter uma ajuda o tempo todo veio muito mais da impossibilidade financeira. E mesmo com tudo isto dito, admito que eu ando sonhando com uma babá extra. Estou exausta. Acho que nunca terei outro filho se não puder ter esse privilégio.

Mas ao mesmo tempo é inegável que são relações diferentes que se estabelece com a maternidade e paternidade, em vários níveis. Pensemos.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Aqui todo mundo é peão

Se você ainda não gosta de São Paulo é porque ainda está olhando pra ela de longe, da janela tripla e plástica de um avião. São Paulo não foi feita pra ser vista de cima. Pra gostar daqui tem que descer pra ver de perto. Tem que parar pra ver de dentro. Em São Paulo cada amigo é que é o seu monumento, sua pracinha, a sua praia. E quando um deles vai embora, a sua cidade fica completamente bombardeada, dilacerada, absolutamente apocalíptica. 

Desde que cheguei, há uns 6 anos, já tive uma meia dúzia de São Paulos. Você de muda de emprego, de bairro, de profissão. Conhece gente nova, muda de sotaque, aprende os vocabulários, os figurinos, os endereços. Aí quando se apega àquele novo mundo, quando começa ficar gostoso, quentinho, quando tá começando a virar uma família, “ah, agora eu posso ficar aqui pra sempre”…pronto: aquela gente maravilhosa simplesmente tem a petulância de ir ser feliz e viver a vida em outro continente e todo aquele planeta vai junto. E fim.

Não é que nem o Corcovado que está lá pra sempre, entende? A Claudinha foi embora e nunca mais teve festinha no palácio dos Jardins. A Pri foi embora e a gente nunca mais vai poder tomar banho de psicina na casa dela falando mal de alguém. A Ana Luisa vai me abandonar e eu não vou nunca mais saber chegar naquela pracinha que ela me levou com Inacio no sábado mais delícia do mundo. É, é cruel desse jeito. 

E lá vai você, com seu LEGO emocional esquizofrênico em pedaços, tentar montar outra cidade do dia pra noite. Parece muito trabalho pra pouco tempo e é. Só que essa coisa de levar um dia depois do outro pode valer pra outras paragens, aqui não: em São Paulo às vezes a gente pula uns três, quatro meses de tanta ansiedade. Aqui, amigos de 2 anos viram de infância, amores de 6 meses já são eternos. São Paulo é pra quem tem essa vontade quase cafona de viver histórias grandiosas, ir atrás de paixões hollywoodianas. E quem tem essa alma grande e bandeirante não fica sossegado mesmo em canto nenhum. Ninguém vem pra cá atrás de sombra e água fresca - até porque não temos árvore e tá faltando água. Sim, eu sei de tudo isso.

Mas mesmo gostando, mesmo sabendo, toda vez que alguém vai embora e eu tenho que demolir um mundo e erguer um novo condomíminio dentro de mim dá uma preguiça imensa e uma raiva sem precedentes.A Ana Luisa vai deixar um buraco de dois metros de profundidade no meio da minha  Avenida Paulista particular (e olha que eu tenho pouco mais de um metro e meio). Vai ter revolta, vai ter panelaço na minha alma. Até eu descobrir um atalho ou aprender a andar de bicicleta vai ser caótico. 

Por isso, amigo, se você já aterrisou e pegou gosto por essa terra aqui, apenas um cuidado: São Paulo acaba. Um dia você acorda e sua São Paulo foi implodida sem plebiscito, sem votação, na maior arbitraridade. Nem adianta culpar Haddads, Malufs, Kassabs, não adianta xingar todos os sobrenomes árabes. 

E toda vez que a sua São Paulo acabar você vai vai ver que aqui todo mundo é peão. Aí não tem jeito: pegue sua enxada sentimental, respira fundo esse arzinho seco e poluído e mãos à obra pra reconstruir sua cidade sozinho. 

E sorria, viu, que a graça é um pouco essa. 

terça-feira, 28 de abril de 2015

Have a marguerita for me. Say hi to everyone.

- Anna is flying from Chicago, Paula confirmed too. I made a reservation at this new awsome Mexican place in Brooklyn. I told everyone you are coming. Cause you are coming, right?

I was really excited, she yawned.

-Yes. Probably. I mean, If everything is ok with him. Say hi to uncle Lisa, Nate!, - she said with this awkward  fake baby voice. The kid started crying the second Angela spelled his name. 
-Hello, small creature - i tried.
-He woke up more than 17 times this night. I mean, i stopped counting at 17 but it was probably 22 ou 23 times. Do you think it’s normal?
-I don’t know, you should google it. By the way, they have margueritas there! They are your favourites, right?

I could hear her turning the TV on. Now Mickey Mouse was singing out loud between us.

-I think they were, yeah. But I’m still breastfeeding.
-Jesus, It’s friday night, and here we are, talking about breastfeeding. Can you turn this down?
-What?
-This music, i can barely hear you.
-Oh, sorry, it’s the only thing that calms him down. 
-It is, right? - i doubted.

Now Minnie happily joined the song, and Nate decided to cry louder in revenge.

-So tell me more about this new place you guys are going tonight! 
-So you are not coming. 
-I didn’t say that. Did i?
-It’s one day in the year, Angela. 
-Of course you don’t understand.
-Ok, I got it.  I’ll call you as soon as i have a baby so we can share some information about poop and diapers. How does that sound? Good bye.
-Hey Lisa…? Wait. 

She changed her mind, i thought for a second. But then Donald Duck started his very own inspired solo on background.

-Have a marguerita for me. Say hi to everyone.

More crying. This baby was definetely not a Disney fan.

-Yeah, you too. Say hi to Nate.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Carpe Diem tatuado no cócxi

É fácil entender toda a auto-ajuda barata do mundo. Uma semana internada num hospital com uma doença semi-grave e quando se dá conta, plim! Você virou uma mistura de Ana Maria Braga com Padre Marcelo Rossi. 5 dias de UTI são tão traumáticos que você vai rapidinho adotar o discurso de “aproveitar os pequenos momentos”, “o que vale mesmo é família e amigos” e que “o importante é ter saúde que o resto a gente corre atrás.” E tudo isso é tão absolutamente verdadeiro, que é preciso muito cinismo, mau humor e sarcasmo pra superar a vontade louca que estou nesse momento de tatuar um Carpe Diem bem grande no cócxi e sair cantando Singing in the Rain pelada em plena Avenida Paulista apenas por estar viva.
Para evitar esse tipo de constrangimento, resolvi escrever sobre o assunto. Como eu tenho muito medo de alguém usar minhas frases como template cafona de superação no Instagram , aqui vão as coisas que de fato me salvaram na UTI (embora os médicos insistam em dizer que foi hidratação e repouso):
1.     O CLIMA DE FIM DE MUNDO NA GLOBONEWS. As trapalhadas de Dilma e a alta do dólar na cobertura da Globo faziam parecer que o mundo ia acabar todos os dias. E quando você tá na merda, dá uma sensação boa saber que tá todo mundo na merda também!
2.     FACEBOOK, POR FAVOR NUNCA VIRE UM LUGAR RESPEITÁVEL. Selfies constrangedores, memes imbecis e discussões superficiais, ah, que dádiva! Meu braço estava furado em 4 lugares diferentes e ainda assim eu tinha motivos para sorrir. Zuck, obrigada por esse mar de ignorância, se o Face fosse um simpósio acadêmico talvez eu não estivesse mais aqui.
3.     MÃE, MARIDO, AMIGOS E FILHO. Obrigada mamãe pelo eterno otimismo – “Essa sopa de jiló do hospital tá com uma cara ótima! Hmmmm! Melhor que a do Maní!”. Obrigada meu marido de 1 metro e 92, por ter dormido todos esses dias numa cama que terminava na altura de seus joelhos. Obrigada Inacio, por não entender nada e ter ficado brincando de fazer a cama subir e descer como se fosse a coisa mais legal do mundo. Obrigada aos amigos super presentes que mandavam mensagens e que me fizeram chorar de tanta fofura. E aos amigos ausentes por terem continuado ausentes! Tem uma galera do Rio que no dia que aparecer aqui eu vou ter certeza de estar à beira da morte!
Agora chega de agradecimento que isso aqui não é Oscar, é dengue. No episódio de hoje amiguinhos, aprendemos que se você tá reclamando de comida de avião, cama de hotel e alta do dólar, você tá ótimo! Comida de hospital, cama de UTI e baixa de plaqueta, isso sim que é fim de linha.
E podem ter certeza que depois da dengue eu me tornei uma pessoa melhor e nunca mais reclamarei da vida, nunca mais falarei mal de ninguém e nunca mais gastarei fortunas em roupas que não preciso. Não sem antes passar um belo de um repelente.


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Pequeno dicionário do cinema brasileiro


Quando um produtor diz...ele quer dizer
“ Já temos a grana” – “Não temos a grana ainda”
“O projeto é grande, mas a gente tá apostando em você.” - “Vamos pagar pouco.”
“O projeto é pequeno portanto a gente só confia em você.” – “Vamos pagar pouco.”
“O projeto é médio e você pode ser um parceiro nosso” – “Não vamos pagar nada.”
“Vamos filmar no 1o semestre do ano que vem” – “Vamos filmar em algum momento entre ano que vem e daqui a 5 anos. Se tudo der certo. Ou não.”
“O ator X amou o seu filme e vai fazer” – “O ator x nem leu o roteiro e não vai fazer porque ele tem outro filme que vai rodar no 1o semestre do ano que vem.”

Quando o distribuidor diz...ele quer dizer...
“Queremos um filme pra toda família” – “Queremos uma comédia”
“Queremos um filme ousado” – “Queremos uma comédia”
“Queremos uma comédia diferente de tudo isso que tá aí” – “Queremos uma comédia igual a todas as outras.”
“Não queremos só comédia” – “Queremos só comédia”

Quando um diretor diz...ele quer dizer
“Ainda bem que meu filme é inteligente, cult e para poucos” – “Queria que meu filme tivesse o mesmo público das comédias”
“Meu filme fracassou porque o público está acostumado só com comédias.” – “Meu filme não é tão bom assim, mas se dá pra culpar as comédias pelo meu fracasso, maravilha!”
“Adorei seu filme, colega diretor.” – “Detestei seu filme, eu sou muito melhor e não entendo porque seu filme fez mais sucesso que o meu.”

Quando um roteirista diz...ele quer dizer
“O roteiro já tá pronto, só estou corrigindo os erros de português” – “O roteiro não tá pronto, na verdade nem decidi o nome da protagonista ainda”
“Estou super animada pra começar.” – “Estou com muita preguiça de escrever, quando é o próximo concurso pro Banco do Brasil?”
“Eu trabalhei o dia todo nesse problema do roteiro e nada...” – “Fiquei boa parte do dia discutindo política no Facebook e não consegui focar.”
“Estou super confiante neste tratamento” – “Estou totalmente inseguro, talvez vocês descubram dessa vez que eu sou uma fraude”
“Escrever é muito doloroso, o escritor se sacrifica muito” – “Eu amo o que faço e a verdade é que eu me acho superior porque estou aqui inventando histórias enquanto as outras pessoas tem que trabalhar de verdade.”



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Banheiro químico


-       A gente precisa fazer alguma coisa diferente, Pedro.
-       Antônio.
-       Quê?
-       Você me chamou de Pedro de novo.
-       Chamei? Tá vendo, isso que eu tô falando.  Eu não aguento mais falar do Pedro o dia todo, a creche do Pedro, o catarro do Pedro, o cocô do Pedro.
-       Verdade! Vai, larga tudo e vamo ao cinema agora!
-       Uau, que ousado, hein? Radical! Pelo amor de Deus, esse é o máximo que gente consegue se afastar da rotina de papai e mamãe? Cinema?
-       O que é que você quer fazer?
-       Alguma loucura, ir em algum show num lugar longe e com bastante fila, usar banheiro químico!
-       Você tá com saudade de usar banheiro químico?
-       O banheiro químico é uma espécie de máquina do tempo que vai nos transportar de volta pra nossa juventude, Antônio.
-       Tá rolando um festival de música.
-       Perfeito. Quem vai tocar?
-       Gossip, Macabees, Azealia Banks...
-       Nunca ouvi falar... Quando é que apareceram todas essas bandas?
-       Depois que o Pedro nasceu.
-       Não tem nenhum festival com bandas que a gente possa cantar junto?
-       Não, não tá rolando Palavra Cantada em nenhum festival.
-       Esquece show.
-       Aula de surf?
-       Vai atacar minha hérnia.
-       Pular de asa delta?
-       E minha labirintite?
-       Bungee Jump?
-       Deve dar um torcicolo...
-       Motel?
-       Coisa de casal careta que acha que tá sendo loucão.
-       E a gente é o quê?
-       Liga pra sua mãe. Pede pra ela ficar com o Pedro pra gente ir ao cinema.
-       Você quer que a minha mãe venha de Belo Horizonte só pra gente ir ao cinema?
-       Eu não confio nessas babás. Teve uma reportagem no Fantástico que colocou uma câmera escondida e/
-       Pelo amor de Deus, não precisa apelar pra câmera escondida do Fantástico. Quando eu marco?
-       Essa semana não dá, segunda eu fico muito cansada, terça não consigo...sexta feira da oooutra semana.
-       A gente vai agendar um cinema com 17 dias de antecedência?

17 dias depois, no cinema.
           
-       Enfim sós.
-       Graças a Deus.
-       Ufa.
-       Só eu e você.
-       Eu, você e as Tartarugas Ninja.
-       Você queria escolher o filme ainda por cima?
-       Seria muito luxo.
-       O importante é que estamos só nós aqui.
-       Mais ninguém.
-       Como nos velhos tempos.
-       Como nos velhos tempos.
...
-       Te mostrei a foto que tirei do Pedro ontem?
-       Não, cadê?
-       Olha isso, que lindo.
-       Ele tá demais. Manda pra mim.
-       E essa cara que ele faz quando faz cocô?
-       Te falei que ele falou “beterraba?”
-       Jura?
-       Tô te falando. Claro que não foi assim um “beterraba” tão nítido, talvez tenha sido “boneca” ou “grampeador”, mas olha isso, eu filmei.
-       Vamos ver esse filme e voltar logo pra casa, eu não tô aguentando de saudade do Pedro.



-